Brasil ocupa a 4ª posição entre os Top 10 da certificação LEED

Brasil ocupa a 4ª posição entre os Top 10 da certificação LEED

O US Green Building Council (USGBC) anunciou ontem que o Brasil ocupa a quarta posição no segundo ranking anual do USGBC dos “Top 10” Países do LEED - sistema de classificação de green building mais utilizado e amplamente reconhecido no mundo. A lista os classifica em termos de metragem quadrada construída e números de projetos certificados LEED até a presente data.

O anúncio ocorre em um momento de especial atenção internacional sobre a mitigação das mudanças climáticas que prevalecerá em destaque até a COP21 - negociações climáticas das Nações Unidas que ocorrerá no próximo mês de dezembro. O protagonismo brasileiro no cenário mundial de green buildings será debatido durante a 6ª Greenbuilding Brasil – Conferência Internacional & Expo, que acontece de 11 a 13 de agosto, em São Paulo.

O Brasil é um dos cinco países que compõe o BRICS (também composto por China, Rússia, Índia e África do Sul) a integrar a lista dos “Top 10” países LEED em 2015. O vasto mercado nacional e em ascensão no segmento de green building demonstra que uma das potências econômicas emergentes mais importantes da comunidade internacional está, de forma ativa, buscando maneiras para garantir um crescimento econômico sustentável e responsável.

O Brasil foi destaque no ano passado por ser o país que obteve a maior queda do mundo em emissões de gases de efeito estufa, com base em seus esforços bem-sucedidos de combate ao desmatamento. A emersão do Brasil como um país na vanguarda do movimento de sustentabilidade tem o potencial de provocar o crescimento no mercado do LEED para as Américas do Sul e Central, devido à referência nacional como modelo econômico e político regional para os países vizinhos.

"Pela manutenção de uma forte posição de liderança nos movimentos de green buildings e sustentabilidade ambiental baseados no uso generalizado do LEED, o Brasil está demonstrando ao mundo que é possível buscar crescimento e desenvolvimento econômico sem sacrificar o compromisso de proteger o nosso planeta", disse Rick Fedrizzi , CEO e presidente fundador do USGBC." Sendo uma das potências econômicas do novo século em ascensão, o movimento da sustentabilidade brasileira está ajudando a traçar um novo caminho, mais justo e responsável para o progresso econômico e social", completa Fedrizzi.

Certificação LEED no mundo
A lista dos “Top 10” destaca países fora dos Estados Unidos que estão realizando progressos significativos em projeto, construção e reforma de edifícios sustentáveis, ilustrando a crescente demanda internacional por edifícios com a Certificação LEED.

Espaços com a certificação LEED utilizam menos recursos hídricos e energéticos, são mais econômicos tanto para famílias, empresas e contribuintes, reduzem as emissões de carbono e criam um ambiente mais saudável para os moradores, trabalhadores e para a comunidade em geral.

Todos os dias, cerca de 172 mil m2 de espaço são certificados utilizando a ferramenta LEED, e há atualmente mais de 69.800 projetos comerciais e institucionais, o que representa 1.230 bilhões de m2 de área que participam no sistema de classificação de green building. Além de 76.500 unidades residenciais adicionais que foram certificados sob o sistema LEED for Homes. Atualmente projetos LEED podem ser encontrados em mais de 150 países e territórios em todo o mundo.

Os 10 países contemplados na lista de 2015 são culturalmente e geograficamente diversificados e representam sete das 20 maiores economias do mundo pelo Produto Interno Bruto (PIB) (China, Alemanha, Brasil, Índia, Canadá, Coréia do Sul e Turquia), bem como seis dos 11 maiores emissores de gases de efeito estufa (China, Índia, Alemanha, Coreia do Sul, Canadá e Brasil). Os Estados Unidos, país de nascimento do LEED, não estão incluídos nesta lista, mas continua a ser o maior mercado do mundo no que tange a Certificação LEED. Os EUA são a maior economia do mundo pelo PIB, bem como o segundo maior emissor mundial de gases de efeito estufa.


MAIS NOTÍCIAS

CUB paulista segue estável em novembro

Preço do m2 está em R$ 1.138,10, indicando alta de 4,60% em 2015 São…

CUB paulista fica estável em outubro

Preço do m2 está em R$ 1.137,83, indicando alta de 4,58% em 2015 São…
UTI das Ideias